sábado, 11 de fevereiro de 2017

Que o caminho seja brando a teus pés,
O vento sopre leve em teus ombros.
Que o sol brilhe cálido sobre tua face,
As chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
que os Deuses te guardem nas palmas de Suas mãos
Que a estrada abra à sua frente,
que o vento sopre levemente em suas costas,
que o sol brilhe morno em e suave em sua face,
que a chuva caia de mansinho em seus campos.
E até que nos encontremos de novo...
Que os Deuses guardem, você na palma das suas mãos.
Que as gotas da chuva molhem suavemente o seu rosto,
que o vento suave refresque seu espírito,
que o sol ilumine seu coração,
que as tarefas do dia não sejam um peso nos seus ombros,
e que Deus envolva você no seu manto de amor.
Prece Irlandesa

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Domingo

Um domingo tranquilo, dolorido por uma coluna problemática, mas feliz com amor no coração. 

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Texto do facebook de exatos um ano atras...

Quando olhamos para traz e só vemos o que poderíamos ser, e sofremos pelas coisas que deixamos de fazer. Passamos a acredita que o mundo caiu, mas não, isto é apenas um começo, o primeiro passo para a libertação. Uma vida nova, novos rumos, caminhos mais floridos ou mais agrestes. O importante é continuar na estrada e não deixar de combater o bom combate. Guerras existirão em todos os dias da nossa existência e a vida e é um milagre que devemos agradecer. Não podemos impedir que o sol nasça e que se ponha, a vida continua mesmo assim, com o coração partido ou com a falta de um.
Pior é viver mentiras, pior é guardar mágoas, triste é culpar outrem por não ter coragem e viver entre o céu e a terra.
Nós somos frutos das nossas escolhas, somos serres que nascemos, crescemos e vivemos para sermos felizes e tudo o que impede esta felicidade deverá ser decepado.
E este texto vai assim sem correções, só com um sentimento de que o que estava ao nosso alcance foi tentado, e tentado e tentado, que a honestidade deverá sempre ser uma companheira valorosa, nunca abandonada em uma trincheira pantanosa. Reconheçamos que para os Deuses sorrirem, primeiro devemos, estar muito consciente de nossas alternativas, optando sempre e sempre pelas que nos fazem sentir-se realizados, como uma parte de algo único e preciso. De termos, sobretudo coragem para não se violentar, vontade para não desviar da luta, sermos alguém que nossos filhos respeitaria. Ainda que nunca vejamos seu sorriso.
Dói pensar que não temos uma segunda chance de refazer o passado e acertar, mas é muito bom sabermos que podemos aprender com erros ainda que homérico e desinteligente.
Nunca permita que diga que seus sonhos são besteiras e que você merece pouco.
Pois somos únicos e insubstituíveis.
Uma vida maravilhosa nos espera!

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Desejo



Um novo dia aparece, mas quero tudo... Quero o sol e quero a lua, a noite e o dia, quero você... Mas só se for completo.
O nosso maior erro foi se dividir.
Quero voar e quero meus pés plantados no chão.
Quero seu nome no meu, quero minha alma na sua, quero seus sonhos e que ele faça parte do nossa realidade.
Vamos tentar mais uma vez.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Saudades

Sinto saudades do seu “xau”,
Sinto falta de me despedir de você,
Não sei, entre tantas coisas maravilhosas 
Sinto falta de olhar para traz e te dar um “xau” e te ver rezando para que nada de mau acontecesse, aos que privilegiavam do seu amor
E te encontrar  novamente, sorrir contigo e da nossa rotina do “xau”,  parar na esquina e olhar e te ver acenando...
E achar que tudo estava bem.
Saudades minha Vó eu te amo para sempre.
Muita luz!
E xau querida sei que tudo vai ficar bem com os seus queridos.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Saudades de te...








Aprendendo a morrer

Não é uma confissão suicida, que fique logo claro, também não é nada original ou brilhante, sei de minhas limitações literárias, mas apenas deduções.
Todos os dias penso como estou diferente, não sou mas quem eu era, aos vinte, e sei que serei diferente do que sou quando os cinquenta me encontrar.
Acredito assim, que no nossos aniversários celebremos quem fomos, o que nos tornamos e o que seremos, sem preconceitos ou julgamentos, lembrando o que nunca mais seremos ou resgatando o que podermos ser melhores, o que nos faz falta.
Vejo a virgem, a secundarista, a civil, tantas passagens, mudanças, marcas na alma e na face, sinto como se uma morte, todos os dias ,me visitasse, deixando a pureza e as vezes a confiança pela estrada trilhada.
Vamos adquirindo algo que os humanos convencionaram a chamar de experiência. E nessas andanças vamos deixando corpos pelo meio do caminho, e nos surpreendemos quando os  identificamos como nossos.
As vezes me sinto como em um filme de ficção cientifica, é meu corpo, com meu histórico, com minhas marcas físicas e espirituais, mas, não reconheço aquela mulher, que já fofocou, que já mentiu, que já traiu e que muitas vezes foi vilã.
Procuro a menina, que acreditava em final feliz, e me surpreendo com esta estranha altruísta, capaz de abrir mão de momentos caros por outros objetivos cujo valor é imensurável. Triste ou feliz, cada morte traz um motivo, uma (in) satisfação, um querer alcançado ou não.
Reconhecer e conviver, redescobrindo valores, buscando aperfeiçoamento, sendo forte, quando a única coisa que o corpo almeja é se entregar ao completo e absoluto cansaço.
Sendo dura quando o vício obriga a pensar que o veneno é o remédio para o vazio  de escolhas insensatas.
Regredindo ou dominando o destino, morremos todos os dias, mortes dramáticas, patéticas, doloridas ou aguardadas, sempre sozinho, quando descobrimos que nem os nossos mais queridos, percebem que estão lidando com uma perfeita estranha, com uma pessoas que evoluiu ou regrediu, mas que não ficou estática.
Então amores, não vivemos a cada dia...
Morremos.

E cada minuto, cada segundo, teremos de aprender a conviver com as mortes definitivas da nossa vida e com o milagre do hoje, pois um dia seremos encontrados pela Senhora Ceifadora e não sei se confirmaremos a existência de céu ou inferno.